segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

ABRACADABRA!


Hoje, 31 de janeiro, é Dia do Mágico, mesma data em que se comemora São João Bosco, patrono dos ilusionistas (os que fazem mágicas). João era padre, viveu na Itália no século 19 e trabalhou como artista de circo para ajudar a família. Adorava fazer mágicas para atrair a atenção das pessoas e depois as convidava para rezar.

Sem nada de sobrenatural, a mágica usa muita ciência para criar truques que enganam nossos olhos, fazendo-nos acreditar em coisas que, na verdade, são impossíveis de acontecer, como serrar alguém em duas partes e depois grudar de novo. A engenharia ajuda a inventar máquinas que fazem, entre outras coisas, o coelho desaparecer. Já a química permite, por exemplo, que o ovo entre dentro de uma garrafa. A ótica cria espelhos que mostram coisas diferentes do que são; e por aí vai. Para ser um bom mágico é preciso estudar muito e treinar bastante.

A mágica é uma atividade muito séria – no Brasil a profissão é regulamentada desde 1978 – e antiga. Tem mais de 4.000 anos e sempre encantou o público. Nas últimas décadas, tem se aperfeiçoado cada vez mais com o avanço da tecnologia. Mas não é fácil.

O mágico tem de dominar as técnicas, ter muita habilidade com as mãos e ser bom de papo. Não precisa apenas usar a palavra mágica abracadabra. Aliás, essa palavrinha tem mais de 2.000 anos, mas ninguém sabe sua origem nem o que significa. Antigamente, acreditava-se que tinha o poder de curar algumas doenças.

Tem vontade de fazer uma mágica? Entre no site do Diário (http://www.dgabc.com.br/) e aprenda com o mágico Ossamá Satto os truques do desaparecimento da moeda e o da levitação do lápis. Treine bastante antes de mostrá-los para seus amigos. Boa sorte.

sábado, 29 de janeiro de 2011

Deixe o caderno com a sua cara

Nada é mais gostoso na volta às aulas do que estrear o material escolar. Não precisa se preocupar em ter caderno com capa bonita nem mochila transada. Este é o tema de capa da reportagem do Diarinho deste domingo. Além das dicas que encontra lá, você vai descobrir como fazer isso com os vídeos que estão no site do Diário (http://www.dgabc.com.br).



As meninas podem usar fotos do seu ídolo e aproveitar o estilo candy para acrescentar um cup cake, balas e docinhos. Já os meninos aprendem a fazer uma capa cheia de piratas, com mar, montanha no fundo e muitos adesivos.



Em outro vídeo, você precisa da ajuda de um adulto para fazer lindas capas com bonequinhos em EVA. Parece complicado, mas dá para usar como molde desenhos prontos disponíveis na internet. Há muitos bem legais no site www.desenhosparacolorir.org

A mochila velha ou com propagandas também vai ficar mais bonita e com cara de nova ao colar retalhos e enfeitar com broches. Um vídeo também ensina a customizar essa peça. Então, mãos à obra!

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Todos precisam de mãe

Foto: Divulgação
Carros 2 não é a única novidade da Disney para o cinema em 2011. Em agosto deve estrear a animação em 3D Marte Precisa de Mães. A história parece ser muito legal. Milo, 9 anos, descobre como sua mãe é importante e faz uma falta danada depois que ela é raptada por marcianos.

Os Ets roubam as mamães terráqueas para que usem sua sabedoria com os bebês de lá. Mas Milo não vai deixar o sequestro barato; se mete clandestinamente numa espaçonave em direção ao planeta vermelho (como Marte também é conhecido). Durante a aventura, recebe a ajuda do humano Gribble e da rebelde marciana Ki.

Marte Precisa de Mães é baseado no livro do norte-americano Berkeley Breathed, publicado em 2007. As imagens do longa foram feitas com a mesma técnica usada em Os Fantasmas de Scrooge e o Expresso Polar.

Confira o trailer:

video

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Rapunzel está com tudo!


Quem já curtiu a animação Enrolados nestas férias no cinema vai vibrar com o livro do filme, que vem acompanhado com caixinha portátil de música para ser carregada para onde o leitor quiser.


O mais legal é que o acessório traz 20 canções do longa-metragem da Disney. Cada uma corresponde a um capítulo do livro Enrolados – As Aventuras de Rapunzel. Assim dá para ler enquanto ouve a melodia.


O novo desenho conta, de uma forma bem diferente, a história da princesa que vive presa numa torre. Desta vez, ela se envolve com o Flynn Rider, charmoso bandido que está fugindo e se esconde lá. A esperta Rapunzel, dona de um cabelão de 21 metros de comprimento, o transforma em refém e faz um pacto com ele para fugir do cativeiro. É aí que começa a aventura cheia de ação e paixão.



Já o clássico conto dos Irmãos Grimm, autores da história original da menina de longos cabelos, pode ser conferido em Rapunzel, com ilustrações belíssimas de Sarah Gibb. O livro lembra aqueles contos de fada de antigamente, com ilustrações delicadas, cheias de detalhes e traços fininhos.


Os dois livros são da editora Caramelo. Enrolados – As Aventuras de Rapunzel tem 32 páginas e custa R$ 59,90. E Rapunzel, também com 32 páginas, tem preço sugerido de R$ 39,90.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Tudo pode mudar de cara!


Encarar a vida com bom humor torna tudo muito mais fácil. E a gente pode transformar isso em um hábito, basta querer enxergar assim. Esta é a proposta da artista Vanessa Dualib, autora do livro Brincando com a Comida (editora Alaúde, 120 págs., R$ 49). Ela mistura fotografia, criatividade e humor para produzir fotos incríveis de legumes e frutas.

Os vegetais adquirem outra forma em suas fotos, ganhando vida própria e deixando de ser o que eram. E como a própria autora diz: são muito mais do que alimento para o corpo, tornam-se também alimentos para a alma.


Nas páginas do livro, rabanetes transformam-se em Rabaquitos, simpáticos passarinhos que são alimentados pela mãe no ninho.


Batata e madioquinhas adquirem a forma de um divertido polvo batizado de Batatolvo.


Uma batata-doce, com a pontinha bem encurvada, ganha características pré-históricas e vira um dinossauro, o Batatassaurus dulcis.


E o que você acha do Sapo-limão? Será que, com essa cara de azedo e ácido, ele conseguirá ganhar um beijo e se transformar em príncipe?


Também vai curtir as aventuras de Eggbert, prOVOcativo personagem ovo, com historinhas bem legais.

Você pode tentar fazer algo parecido. Pegue sua câmera fotográfica e acompanhe sua família à feira. Com certeza, vai conseguir imagens bem divertidas. Depois, se desejar, mande para cá.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Reino dos doces sempre esteve na imaginação do homem

Quem nunca sonhou com um reino feito de guloseimas gigantes? Esse mundo fantástico aparece há muito tempo na literatura, teatro, cinema e dança. Você lembra de alguma história? Confira as mais conhecidas:



O filme A Fantástica Fábrica de Chocolate, lançado em 2005, é a segunda adaptação produzida para a telona do livro escrito pelo britânico Roald Dahl, em 1964. Ele também é o autor de Matilda, James e o Pêssego Gigante e O Fantástico Sr. Raposo. A primeira versão cinematográfica da obra é de 1971. Na trama, Chalie é um menino pobre que visita com outras crianças a fábrica do maluco Willy Wonka. A empresa tem muitos mistérios, entre eles os minúsculos operários chamados Oompa-loompas. Em cada pedacinho do lugar, existe uma surpresa diferente, como o rio de chocolate e árvores comestíveis.


A história de O Quebra-Nozes é mundialmente conhecida como obra de balé clássico. No entanto, trata-se da adaptação do conto O Quebra-Nozes e o Rei dos Ratos, escrito pelo alemão E.T.ª Hoffman, em 1816. O balé estreou na Rússia, em 1892. Nesta aventura, a menina Clara ganha um boneco quebra-nozes na noite de Natal. Ao dormir, o brinquedo ganha vida, luta contra o rei dos ratos e se transforma em príncipe. Ele e a menina viajam para o Reino dos Doces, onde encontram a Fada Açucarada e conhecem guloseimas de várias partes do mundo. Uma nova adaptação da trama em 3D foi lançada em novembro nos cinemas norte-americanos, sem data ainda para ser lançada aqui.



No conto de fadas João e Maria, os irmãos se perdem na floresta e vão parar numa linda casa feita de doces e biscoitos. No local, encontram uma velhinha que os enchem de delícias. Mas as crianças não sabem que a senhora é uma bruxa, que engorda os pequenos para depois comê-los. A história também já ganhou diversas adaptações em todo o mundo para o teatro, TV e cinema. Aliás, em breve deve estrear uma nova versão em 3D, cheia de efeitos especiais. A trama se passa 15 anos depois que João e Maria escaparam da velhinha malvada. Os irmãos se transformaram em caçadores de bruxas.

Zuzubalândia é o reino feito de comida criado pela brasileira Mariana Caltabiano. Na realidade, primeiro ela escreveu o livro Jujubalândia (o nome é diferente mesmo), em 1997. A história virou peça de teatro, CD e série de TV com bonecos, exibida no SBT. Agora, a trama - liderada pela abelhinha Zuzu - se transformará em animação, que ficará pronta em 2012.

2 em 1: Tamandurso!

Olhe bem para a imagem abaixo ...

É um Tamandurso?


O que você vê? Um tamanduá ou um urso?

Quem conseguiu enxergar que a pata do tamanduá parece tanto um urso panda que dá um nó na cabeça de tão doido?

É impressionante como, por questões de segundos, uma imagem vira ilusão de óptica, não é?

Compare as duas fotos. A pata parece mesmo um urso!

A primeira foto foi tirada no zoo de São Francisco, nos Estados Unidos. Mostra o bebê tamanduá e sua mamãe toda orgulhosa, Evita. Foi a estreia do filhote para os holofotes.

Já na segunda, o curioso urso panda gigante Tian Tian brinca com uma caixa de papelão. Ele procura por lanchinhos preparados pelos tratadores. Entre as delícias, estão maçãs e pêras bem geladinhas. Ele mora no zoo de Washington, também Estados Unidos.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Robô vai à escola no lugar do aluno real


Parece cena de filme de ficção, mas é só mais um dia de aula na escola de número 166, em Moscou, capital da Rússia. O robô Stepan assiste às aulas para ajudar um menino de 12 anos com leucemia a acompanhar as matérias. Enquanto isso, o Stepan humano – cujo sistema imunológico está frágil demais para que ele possa sair de casa – senta-se diante do computador em casa e participa das aulas com a ajuda do amigo eletrônico.

Os olhos do robozinho, equipados com webcan , captam as imagens da sala de aula e as trasmitem em tempo real para o computador no quarto do menino. Uma tela na parte frontal do equipamento permite ao aluno intervir para pedir explicação à professora ou responder uma pergunta.

Fotos: AFP

Desde setembro, Stepan de lata tem ajudado o Stepan de carne e osso a acompanhar as aulas de história, geografia, inglês e francês. Outras matérias, como russo e matemática, ainda necessitam de visitas do professor à casa do garoto.

O garoto diz que se sente como se estivesse na classe, pois consegue controlar os movimentos do androide. “Posso alterar a velocidade e mover a cabeça. Sinto como se estivesse na classe", conta. Embora seja agradecido ao robô, ele espera voltar em breve para a escola, participando das travessuras que só acompanha pela tela.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Padre que inventou rádio faria 150 anos


Em meio a iPods, iPads e MPs, o velho rádio continua firme e forte na casa da maioria dos brasileiros. Isso graças a um padre-cientista brasileiro – conhecido como Pai das Telecomunicações - que teve uma grande ideia. Se estivesse vivo, Roberto Landell de Moura completaria, nesta sexta (21), 150 anos. Para homenageá-lo Porto Alegre, Campinas e Brasília vão receber selos com a foto dele (abaixo).


Apesar de o mérito da invenção do rádio ser todo do italiano Marconi, acredita-se que quem pensou nisso primeiro foi Landell. Ele transmitiu a voz humana à distância, sem fio, pela primeira vez no final do século 19, ligando o alto de Santana – o Colégio Santana – à Avenida Paulista.

Aí é que está a diferença: Marconi inventou o telégrafo sem fios, ou seja, a transmissão de sinais em código Morse (conjunto de pontos e traços) e não o rádio. Tanto que o padre patenteou (registrou) o experimento no Brasil em 1901. Ele também foi um dos primeiros a projetar aparelhos para a transmissão de imagens (TV), textos (teletipo) e telefone sem fio. Previu que as ondas curtas poderiam aumentar a distância das comunicações e também utilizou-se da luz para enviar mensagens (princípio das fibras).

Quer saber mais sobre a história deste ilustre brasileiro? Então acesse http://www.mlm.landelldemoura.qsl.br/

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Pooh na telona em julho

As férias de julho vão trazer o ursinho Pooh e seus amigos para a tela do cinema na animação Winnie the Pooh. Nesta nova aventura no Bosque dos Cem Acres, Corujão envia seus amigos Tigrão, Coelho, Leitão, Can, Guru e Ió (que perdeu seu rabo) para salvar Christopher Robin de um problema imaginário. Então Pooh, que tinha saído para procurar um pouco de mel, vai se juntar aos amigos para ajudá-los a resolver a situação.

SAIBA MAIS
Pooh, que antes era conhecido como Puff, foi criado pelo escritor inglês Alan Alexander Milne, em 1926, baseado no ursinho de pelúcia do filho Christopher Robin. Walt Disney gostou das histórias e decidiu transformá-las em três animações de curta duração, que em 1977 foram transformadas no longa As Aventuras do Ursinho Puff.

Simpático e guloso, não é muito inteligente, mas às vezes tem ideias muito boas, que nem sempre são entendidas. Mora numa casa dentro de uma árvore, onde tem um armário que usa como despensa para guardar mel, sua grande paixão.

Confira o trailer do novo filme:


sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Você já fez capucheta?

Se nunca ouviu essa palavra, saiba que capucheta é um tipo de pipa feita de jornal, que não usa vareta e se infla com o vento. É muito frágil e rasga com facilidade quando enfrenta vento mais forte. Mas como sua execução é muito simples, outra pode ser feita em alguns minutos.

Era uma grande diversão para a garotada antigamente, já que não necessita de quase nada: apenas jornal e linha. Agora dá para sofisticar um pouquinho e usar fita adesiva nas extremidadas para que o papel não rasgue com tanta facilidade.

Não é muito fácil empiná-la nem mantê-la no alto. O grande desafio é justamente este: ver quem consegue mantê-la no céu por mais tempo e subir o máximo que puder. Topa tentar?
Então mãos à obra. Siga as fotos do modelo feito pelo Fernandes:


1. Você vai precisar de uma folha de jornal, tesoura, linha 10 de pipa, clipe ou palito de dente e fita adesiva larga.

2. Dobre o jornal conforme a figura, meio de lateral.
3. Corte no formato.
4. Abra a folha de jornal que deve formar uma pipa (como dois triângulos grudados).

5. Faça uma dobra menor na lateral, como a figura, para deixar a pontinha do triângulo menor no centro da pipa.
6. Faça o mesmo na outra ponta.
7. Vire do outro lado.



8. Faça uma dobra na parte superior, conforme a figura.
9. Vire novamente e veja como ficou.
10. e 11. Cole fita adesiva nas três pontas como reforço.



12, 13 e 14 . Fure as pontas reforçadas com clipe ou palito de dente.


15. Corte uma linha com cerca de 70 cm e amarre nas laterais para formar o estirante.
16. Faça um lacinho no meio do estirante, onde depois deve ser amarrada a linha.
17. Agora corte cerca de 30 cm de linha para amarrar a rabiola no pé da pipa.


18. Corte três tiras de jornal para fazer a rabiola.
19. Junte as três tiras e amarre.
20. Amarre a rabiola na linha.

21. Já está pronto. Agora é só soltá-la com linha 10 e se divertir!


Surpreenda seu avô e o convide a empinar a capucheta. Ele vai curtir muito e você também.
Acredita-se que o nome dessa pipa deriva da palavra capucha, que designa um tipo de capuz ou capa feminina que cobre apenas a cabeça e os ombros, utilizado nos povoados de regiões frias e montanhosas de Portugal. E a capucheta funciona mesmo como um pequeno capuz. Faça o teste!
TEM MAIS
Agora dê uma olhada na edição do Diarinho deste domingo e confira os cuidados necessários na hora de empinar sua pipa. Basta acessar http://www.dgabc.com.br/13/Diarinho.aspx

Herói japonês adota orfanatos


Vamos torcer para que vire moda aqui também. Orfanatos do Japão estão recebendo doações de alguém que diz ser o Máscara de Tigre, famoso herói dos quadrinhos da década de 1960.

Tudo começou no dia de Natal, quando um funcionário do Chuo Child Consultation Center, orfanato da província de Gunma, encontrou dez caixas com mochilas embrulhadas para presente. O pacote estava acompanhado por um bilhete dizendo que era para ser entregue às crianças que precisassem, assinado por Naoto Date. Outro funcionário da casa lembrou que este era o nome verdadeiro do Máscara de Tigre.

A partir daí, pelo menos outras 15 instituições receberam doações de mochilas, materiais escolares e até dinheiro, todas assinadas pelo mesmo personagem. Em uma das mensagens, o herói pede desculpas por ter chegado tarde, em outra deixa recado para que as crianças sempre façam o melhor, acrescentado que o mundo não as abandonou.

Não se sabe se todas as ações são obras do mesmo doador. O mais provável é que tenha mobilizado outros a fazerem o mesmo.

O personagem Naoto Date, conhecido como Máscara de Tigre, era um órfão que cresceu no orfanato, virou lutador profissional e passou a doar dinheiro para a instituição quando se tornou famoso.

O funcionário que encontrou o primeiro donativo no Natal suspeita que o doador tenha cerca de 50 anos e tenha vivido experiência semelhante a do Máscra de Tigre. Ele não planeja procurá-lo em respeito aos seus sentimentos.

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Aventuras marinhas na telona e livrarias




Uma tartaruguinha-marinha macho descobre logo ao nascer que a vida é mais complicada do que parece. Suas aventuras ao longo de 50 anos são narradas na animação em 3D As Aventuras de Sammy, que estreia na telona no dia 21. Na mesma data, chega às prateleiras o livro sobre o filme (Companhia Editora Nacional, 48 págs., R$ 23,90).



A publicação – indicada principalmente para os menorzinhos - reproduz as belas imagens da animação. Na trama, Sammy enfrenta perigos, faz muitos amigos e acompanha as transformações, principalmente ambientais, do planeta. Com coragem e um pouquinho de sorte, a tartaruga cresce desejando conhecer o mundo e reencontrar Shelly por quem é apaixonado.


Quer saber mais sobre a história? Confira o Diarinho deste domingo (16). A gente assistiu ao longa e conta os detalhes. Até lá.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Exemplo a ser seguido


Enquanto cada um produz em média 300 quilos de lixo por ano, uma família da Inglaterra produziu pequena sacolinha com alguns brinquedos quebrados, lâminas de barbear, canetas e negativos fotográficos durante todo ano de 2010. O casal Richard e Rachelle Strauss e a filha Verona, 9 anos, reciclam quase tudo, plantam grande parte da própria comida e transformam restos em adubo. Eles vivem em Gloucestershire, comunidade rural britânica, e viraram referência internacional sobre a questão.

Tudo começou em 2008 quando Rachelle resolveu reduzir drasticamente a produção de lixo e convenceu o marido a fazer o mesmo, depois que ele ficou sabendo sobre os danos causados à vida marinha pela contaminação por plástico. No ano seguinte todos os resíduos familiares foram depositados em apenas uma lata, e no ano passado o volume não chegou a uma sacolinha.

A tarefa começou com a mudança de hábitos. De imediato, os Strauss passaram a reduzir o uso de plástico, reciclar e reaproveitar cada vez mais, usar baterias recarregáveis e painéis solares para gerar energia. Fazem as compras de produtores locais para evitar embalagens e até quando vão ao açougue, levam os próprios recipientes.

Em entrevista à BBC Brasil, Rachelle diz que para quem quer reduzir a produção de lixo, a primeira dica é pensar no que está comprando e escolher produtos com menos embalagem e invólucros que sejam recicláveis (as lojas de produtos desembalados que começam a surgir no Brasil são um bom começo). Também é preciso evitar o desperdício de alimento (um terço vai direto para a lata do lixo!) e reciclar tudo que puder.

A experiência é contada no site www.myzerowaste.com, que fornece dicas utéis de como fazer o mesmo. Lá há até receitas com resíduo zero, já que Rachelle adora criar refeições aproveitanto o que tem em casa. O texto é em inglês, mas a tradução instantânea do Google garante entendimento parcial.

Que tal tentar seguir o exemplo e começar a reduzir o lixo que você produz?

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Sem exagerar no peso


Está namorando aquela mochilona cheia de bolsinhos e compartimentos secretos para arrasar na volta às aulas? Será que uma mala assim não representa um grande perigo para sua coluna? Como? É só pensar que quanto mais espaços há, mais você arrumará coisas para carregar. Depois de alguns dias, já vai começar a sentir dor nas costas. Daí não vai querer deixar a tão desejada companheira de lado.

É preciso entender que existe uma relação direta entre quanto a gente pesa e quanto pode carregar. Isso nunca pode ultrapassar a 10%. Assim, quem pesa 30 kg, por exemplo, nunca pode carregar mais do que 3 kg. Mas essa quantidade não é só de matarial escolar e outras tralhas, precisa incluir também o peso da própria mochila. Há modelos com tantos zíperes e chaveiros que chegam a pesar mais de 1 kg! Nesse caso, sobram no máximo 2 kg de carga para quem pesa 30 kg.

E não é só o peso que importa. O modelo também: deve ter alças largas e acolchoadas, com cinto abdominal, e não ultrapassar a largura das costas nem a altura da cintura de quem vai usá-la. E o comprimento deve terminar na base das costas, nunca no bumbum. O ideal é vesti-la, distribuindo uma alça em cada ombro.

Adulto sempre tenta alertar sobre isso, mas ninguém gosta de ouvir. O problema é tão sério que nos Estados Unidos há até uma data que serve de alerta: 16 de setembro é o Dia de Sensibilização da Mochila Escolar.

Que tal pensar um pouquinho nisso quando parar na frente dos novos e atraentes modelos?

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Cadela aprende mais de 1.000 palavras

Foto: Mark Olenki/ AFP


Chaser, da raça border collie, deve ser o cão mais inteligente do mundo. A cadela, que vive nos Estados Unidos, compreende o nome de 1.022 brinquedos, consegue separá-los de acordo com sua forma e atender a ordem em que deve pegá-los. A cadela foi treinada durante três anos pelos pesquisadores John Pilley (que aparece com ela na foto) e Alliston Reid, do Wofford College da Carolina do Sul. Os autores do estudo acreditam que Chaser pode ir muito além disso e admitem que o animal lembrava o nome dos objetos melhor do que eles mesmos. Ela ultrapassou muito o desempenho do cão Rico, que aprendeu mais de 200 palavras, na Alemanha.

Os brinquedos foram entregues indivudualmente e o nome repetido sempre na mesma ordem para ajudá-la a reconhecê-los. Ao final do estudo, a cadela já conseguia comprender que a palavra brinquedo se referia ao conjunto de 1.022 objetos. Ela se comunica com os pesquisadores por meio da patinha e dos movimentos do nariz, indicando sempre o objeto solicitado. Do total de 838 testes realizados em três anos, o acerto foi de 90%. Esse desempenho demonstra que ela tem a mesma habilidade de um bebê de 3 anos, só não fala!

Border collie é considerada a raça mais inteligente entre os cães. Muito utilizada como pastor de ovelhas, é indicada para as modalidades de agillity (em que executa série de atividades em um circuito fechado sob o comando do dono), entre outras atividades e shows de demonstração